logotipo
ansiolitico.jpg

TRANQUILIZANTES E ANSIOLÍTICOS

São medicamentos que têm a propriedade de atuar sobre a ansiedade e tensão. Estas drogas foram chamadas de tranqüilizantes, por acalmarem a pessoa estressada, tensa e ansiosa.

 

Classificação

Quanto à legalidade: Lícita (Remédios Controlados)

Quanto aos efeitos: Depressora do Sistema Nervoso Central (SNC)

 

Origem

Substâncias sintéticas produzidas em laboratório (normalmente remédios que contém benzodiazepínicos).

 

Onde está presente

Remédios que possuem na formula, substancias como diazepam, bromazepam, clobazam, clorazepam, estazolam, flurazepam, flunitrazepam, lorazepam, nitrazepam ou clorodezepoxido. No caso dos Clorodizepóxidos normalmente são comercializados com nomes “fantasia” como Noan, Valium, Calmociteno, Dienpax, Psicosedin, Frontal, Frisium, Kiatrium, Lexotan, Lorax, Urbanil, Somalium entre outros.

 

Aspectos Históricos

Essas drogas já foram chamadas de tranquilizantes por tranquilizar a pessoa estressada, tensa ou ansiosa. Atualmente são chamados de ansiolíticos ou seja, que “destroem” a ansiedade. Antigamente o principal agente ansiolítico era uma droga chamada meprobamato, que praticamente desapareceu com a descoberta dos benzodiazepínicos. Os benzodiazepínicos estão entre os medicamentos mais usados no mundo, inclusive no Brasil onde existem mais de cem remédios à base dessa substância. Surgiu por volta de 1960.

 

Aspectos Gerais

Os benzodiazepínicos, quando usados durantes alguns meses seguidos, podem levar as pessoas a um estado de dependência. Como consequência, quando terminam o tratamento médico passam a apresentar sintomas da crise de abstinência como irritabilidade, insônia excessiva, sudoração, dor pelo corpo e, em casos extremos, convulsões.

 

Efeitos no Cérebro

Diminuição de ansiedade, indução ao sono, relaxamento muscular, redução do estado de alerta; prejudicam as funções psicomotoras e os processos de aprendizagem e memória. Esses efeitos dos ansiolíticos são potencializados quando usados concomitantemente com álcool.

 

Efeitos em outras partes do corpo

Em doses terapêuticas não produzem efeitos em outras partes do organismo. Do ponto de vista orgânico ou físico os ansiolíticos  são muito seguros pois são necessárias grandes doses (20 a 40 vezes mais altas que as doses habituais) para trazer efeitos mais graves: a pessoa fica com hipotonia muscular (“mole”), grande dificuldade de ficar em pé e andar, baixa pressão sanguínea e suscetibilidade a desmaios. Em conjunto com o álcool pode haver grande diminuição da atividade cerebral e levar ao coma.

 

Outras Consequências

O uso por gestantes também deve ser bastante restrito pois pode ocasionar lesões ou defeitos físicos no feto.

 

Mais Informações:

 

Interações medicamentosas – Os benzodiazepínicos sofrem interações medicamentosas com diversos outros medicamentos comumente utilizados na prática clínica. Estas drogas nunca devem ser administradas com antiácidos, pois o alumínio atrasa o esvaziamento gástrico e torna lenta sua absorção. Drogas como cimetidina, dissulfiram, eritromicina, estrogênios, fluoxetina, inibidor MAOs e isoniazida causam aumento do nível sanguíneo dos benzodiazepínicos. A coadministração de outros depressores do SNC, como anti-histamínicos, barbitúricos, antidepressivos tricíclicos e etanol pode ser perigosa por potencializar seus efeitos.

 

FONTES:

 

Sites

http://www.unifesp.br/dpsicobio/cebrid/quest_drogas/ansioliticos.htm

http://www.obid.senad.gov.br/portais/mundojovem/index.php

http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/index.php